terça-feira, 7 de outubro de 2014

DISCERNINDO O PRIMEIRO PASSO PARA A SALVAÇÃO!!!

Disse Jesus: Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te! (Apocalipse 3. 19)

Arrepender-se significa dar meia volta. É uma combinação de voltar-se do pecado e virar-se para Deus (ITessalonicenses. 1. 9) Antes do arrependimento, você está de costas para Deus e caminhando por uma vida de pecados. Contudo, ao arrepender-se que é a meia volta, você passa a ficar de costas para o pecado, e caminhando em direção de Deus. Três condições são fundamentais para que o arrependimento seja genuíno e provoque mudanças realmente de vida.
1)      O elemento intelectual
2)      O elemento emocional
3)      O elemento volitivo.
O elemento intelectual, consiste numa mudança de conceito, num relacionamento em que o pecado envolve culpa pessoal; é o que Paulo chama de “conhecimento do pecado” (Romanos 3. 20). Só este elemento não faz o arrependimento. Se o que você chama de arrependimento foi só algo ocorrido na mente, então você tem temor do castigo, ao invés de ódio do pecado.
O elemento emocional; envolve uma mudança de sentimento, uma tristeza pelo pecado contra Deus, que é santo e justo. Quando acompanhado pelo elemento subseqüente, é tristeza segundo Deus, mas se não for acompanhado por ele, será tristeza do mundo (2Corintios 7. 9- 10), que se manifesta em remorso e desespero. (Mateus 27. 3; Lucas 18.23)
O elemento volitivo; contém uma mudança de propósito, acompanhado de ódio ao pecado; este elemento é que realiza a mudança de 180 graus no nosso caminhar. A junção dos três elementos é que faz um arrependimento ser verdadeiro. Um grande exemplo de arrependimento é do personagem rebelde do filho pródigo. Quando ele caiu em si (Lucas 15. 17), reconheceu que estava errado, sentiu grande tristeza pelo seu ato, e mudou a sua atitude de dá-me (Lucas 15. 12) para faze-me (Lucas 15. 19). É assim que o arrependimento produz mudanças, transformações, nascimento de novo na vida do pecador. 
Esse arrependimento deve ser constante, e não somente no ato da nossa conversão, porque nossos erros e desvios são freqüentes. Devemos nos arrepender do inicio ao fim de nossas vidas, pois sempre existem áreas que precisam de mudanças. Assim como há o lema “Igreja Reformada sempre reformando”. Assim também, para que haja mudanças, reformas constantes é preciso haver também continuo arrependimento. Há contudo, o perigo desta busca tornar-se mecânica. O arrependimento tem que brotar do fundo do coração, assim como veio o pecado. Entretanto, nosso coração endurecido nem sempre produz arrependimento genuíno. Temos a tristeza de constatar, em muitas situações, que do nosso coração não sai qualquer atitude que nos faça abandonar o pecado; sabemos que erramos, as vezes até sofremos,choramos, mas não mudamos nosso proceder. Não devemos parar no desespero, ou no remorso, mas devemos odiar nossos erros que tanto desagradam a Deus; quer seja; por pensamentos, atitudes, omissão, além da doutrina, do culto prestado, ou na vida secular. Só então conseguiremos a mudança, a reforma na vida individual, e conseqüentemente na igreja.

O que nos conforta é saber que o arrependimento é dom de Deus (Atos 11. 18; e Romanos 2. 4) Devemos estar pedindo a Deus que tenha misericórdia da sua igreja principalmente nestes últimos tempos dando-nos forças, intrepidez para combater as heresias doutrinárias que se proliferam em muitos ministérios chamados "cristãos", que abusam da ignorância do povo, para lhes impingirem dogmas, rituais, doutrinas voltadas para a gloria da carne, descartando a gloria de Deus que é soberano sobre todas as coisas.

Rev. Amílcar Ouvídio Borba

Que Deus abençoe a tua vida meu amigo e irmão, em nome de Jesus. 

1 comentários:

Lady da Paz disse...

Paz do Senhor meu irmão que palavra abençoada toca o coração.
Deixo meu carinho e paz.
http://reginaladydapaz.blogspot.com.br

Postar um comentário

Copyright © 2011 Eneas Cândido de Lara. Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger