quarta-feira, 14 de outubro de 2015

A RELIGIOSIDADE LEVA A MORTE, MAS O CRISTIANISMO GERA VIDA!

Texto básico: Mateus 7.13-27.

Esta é, com certeza, a principal diferença entre Religião e Cristianismo: sua conseqüência final. Uma tem como resultado a morte. O outro trás vida. No contexto de aproximação de Deus existem dois caminhos. O primeiro, largo e espaçoso, leva à perdição, para a morte eterna (Mateus 7. 13). O outro, caminho apertado, conduz para a “vida” (v.14) Pode até parecer contraditório, mas a busca equivocada de Deus pode levar à morte. É isso que a religião faz. Aparentemente conduz à Deus, mas na verdade aprofunda a vivência da morte. Devemos novamente entender essas palavras no contexto da discussão com o judaísmo, mais particularmente com os fariseus. Para Jesus são eles, com seu ensino e prática, que levam as pessoas à morte. Em oposição, Jesus e seu ensino trazem vida àqueles que o seguem. Como se caracteriza a morte gerada pela religião? Primeiramente pelos frutos. Por mais que alguém diga que vive com Deus, se não apresentar frutos visíveis desse relacionamento, em vida, obras e atitudes suas palavras serão enganosas (V.7. 16-18) E, se esse comportamento persistir, essa árvore infrutífera será lançada ao fogo. (V.7. 19) Este é o símbolo do juízo e da condenação eterna.
Outra característica da religiosidade que gera morte é a presença de um sutil “discurso religioso” que não leva à prática da vontade de Deus, principalmente quando omitem a verdadeira mensagem do evangelho pregada por Cristo Jesus, ou seja: O necessário arrependimento, que trás mudança de vida em uma nova  criatura, que renuncia a si mesmo e a conseqüente glória do mundo, para viver pela fé na cruz de Cristo, e o imensurável preço pago para nos salvar.
Na época da igreja primitiva, (e hoje também), muitos reconheciam Jesus como Senhor, falavam bem dele, davam testemunho, mas “não faziam a vontade de Deus”. Isto é, tinham palavras, mas não as colocavam em prática. Não havia obediência a Deus. Por isso essas pessoas não entrarão no reino dos céus (v.7. 21), isso é, não terão vida eterna; pelo contrario, sofrerão a morte eterna, fruto da sua fria religiosidade. De modo ainda mais enfático, Jesus afirma que nem as “práticas cristãs” eram suficientes (v.7. 22). Alguns tinham não apenas palavras bonitas:  ”Senhor, Senhor...., mas também ações aparentemente bonitas: profetizavam, expeliam demônios e faziam milagres como em muitos ministérios hoje. No dia do juízo final, “naquele dia”, essas pessoas apresentarão tais atributos para requerer salvação, mas isso, por incrível que pareça, os levará à condenação eterna. Dirá Jesus;”Apartai-vos de mim”{...}. Tais pessoas não estarão com Jesus no descanso eterno. Por que? Porque elas praticam iniquidades(v. 7. 23). Viviam em pecado, e o pecado gera a morte. Quando não há vida transformada, e nem santidade, o que quer que faça, não vem de Deus. Esses homens tinham atos de poder vindos de outra fonte, e não de Deus. Por fim, a religião gera morte quando ensina que deve-se apenas “ouvir” palavras de Deus, mas não praticá-las(v. 7. 26). Hoje em dia, em meio a tantas expressões religiosas, onde o que vale é ir numa igreja, ter uma religião”. Devemos buscar unicamente orientação bíblica, a este respeito. Existe grande diferença entre Religião e Cristianismo. Uma é um mero esforço humano. A outra é a expressão da revelação de Deus que desceu do céu para trazer salvação aos homens perdidos. Por isso disse Jesus:Examinai as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim”(Mateus 5. 39) Que tipo de caminho estas seguindo? Pense nisso!
 "
Que Deus te abençoe em nome de Jesus

 Enéas Cândido de Lara

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © 2011 Eneas Cândido de Lara. Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger